#3 – Quem precisa de milícia?

O José Cláudio Souza Alves, que é sociólogo e estuda os grupos de extermínio e as milícias no Rio de Janeiro há 26 anos, tem insistido que outras formas de ler e enfrentar esses grupos são possíveis, a partir das periferias e para além do ciclo infinito de violência.

Mas antes de conversarmos sobre isso, ele nos ajudou primeiro a entender que as milícias têm muitos tentáculos: as relações com a polícia, o tráfico e as estruturas do Estado, como eles atuam diretamente dominando bairros, principalmente periféricos, a diversidade de atividades econômicas desenvolvidas pelos grupos e quem lucra com elas, e como o surgimento e a força das milícias se inserem no contexto político e cultural brasileiro dos últimos tempos.

Assim, como encarar esses grupos que se originam, associam e fazem parte do Estado? A saída envolve esse mesmo Estado ou é preciso pensar algo além?

• Entrevista do José para a Rede Brasil Atual/Fundação Perseu Abramo: bit.ly/30HKH3O
• Entrevista para a Revista Exame: bit.ly/2Rfb4LD
• Publicação “Segurança, tráfico e milícias no Rio de Janeiro” da Justiça Global/Fundação Heinrich Böll: bit.ly/38t9WtC

Dá pra ouvir também em outras plataformas!
Spotify | Google Podcasts | Apple Podcasts | Anchor | Download em MP3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *